199

As ferramentas digitais para a didática da disciplina de EMRC turma T1

Apresentação

A situação atual de pandemia obriga a pensar em novas formas de “Ser Escola”. A maioria dos especialistas em educação são unânimes em afirmar que o trabalho presencial é insubstituível muito embora o ensino remoto tenha sido a solução possível para corresponder às vicissitudes de uma situação atípica pandémica. No mundo globalizado em que vivemos, a sala de aula não é uma ilha isolada do resto do mundo, pelo que os fenómenos sociais que ocorrem extramuros são, na grande maioria das vezes, mimetizados em comportamentos na sala de aula. A tecnologia nos dias de hoje é uma realidade presente na vida dos nossos estudantes, mas nem sempre é sinal de competências digitais para a sua correta utilização. A maioria dos professores sente a mesma dificuldade na gestão da tecnologia disponível na sala de aula, pelo que urge a formação aos docentes na integração destes novos recursos, de modo a que os alunos possam aprender a usá-los livremente, mas, sobretudo, de forma responsável. Neste contexto de pandemia, os professores tiveram necessariamente de desenvolver uma capacidade (re)criativa, no sentido de darem maior interatividade às estratégias que desenvolveram com os seus alunos, nesta modalidade de ensino remoto. Esta ação tem como objetivo ajudar os professores de EMRC a integrar diferentes ferramentas digitais na sala de aula, nomeadamente o Genially; Canva; Nearpod; Thingllink; Quizlet, entre outras, de modo a promoverem o trabalho mais colaborativo e dinâmico entre os alunos e, por isso, promotoras de uma motivação mais consistente para as aprendizagens essenciais da disciplina. No final da ação, os formandos serão capazes de incluir a utilização destas ferramentas nas suas planificações, tornando as suas aulas mais interativas.

Destinatários

Professores do grupo 290

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo 290. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores do grupo 290.

Objetivos

- Identificar novos formatos de organização da sala de aula que permitam potenciar o trabalho colaborativo entre alunos; - Conceber e preparar atividades letivas baseadas em ferramentas tecnológicas e interativas; - Alterar as práticas letivas, recorrendo ao uso sistemático e sistematizado de ferramentas web. - Conceber elementos de avaliação com recurso a ferramentas interativas; - Mudar práticas, procedimentos ou materiais didáticos nas planificações das aulas, com os diferentes anos de escolaridade.

Conteúdos

TRABALHO PRESENCIAL/online – 15 horas 1. Apresentação e levantamento das expectativas dos formandos. Indicação dos objetivos, conteúdos e metodologia da Ação de Formação (1 hora) 2. Discussão de alguns modelos de organização da sala de aula e organização da sala para um trabalho colaborativo (1 hora) 3. Exploração de Ferramentas Interativas e suas potencialidades do seu uso em contexto de aula (11 horas) Ferramentas de apresentação e de brainstorming Wakelet; Ferramentas de Questionários/Avaliação Quizlet, Quizizz, Ferramentas de Vídeo Thinglink; Genial-Ly; Canva; Nearpod, Emaze; Edpuzzle 4. Avaliação com ferramentas interativas (2 horas) TRABALHO AUTÓNOMO – 15 horas 1. Produção de recursos utilizáveis em aula com as ferramentas Interativas já exploradas – 2. Avaliação da Formação.

Avaliação

Os formandos serão avaliados tendo como referência os seguintes indicadores: 1 – Participação – 25% Qualidade científico-pedagógica das intervenções – 15% Realização das atividades propostas – 10% 2 - Produção e aplicação de materiais e recursos relevantes e adequados ao nível etário dos alunos- 60% Produção de materiais e recursos relevantes – 25% Aplicação correta em contexto de sala de aula – 25% Adequação ao nível etário dos alunos – 10% 3 - Relatório de reflexão crítica – 15% Súmula clara e objetiva das aprendizagens realizadas – 5% Identificação clara e objetiva dos pontos fortes e fracos do formando – 5% Considerações claras e objetivas sobre a metodologia da ação de formação (incluindo sugestões para ações futuras) – 3% Autoavaliação – 2% A avaliação dos formandos será quantitativa e terá uma classificação na escala de 1 a 10, em que: 9 a 10 valores – Excelente; 8 a 8,9 valores – Muito Bom; 6,5 a 7,9 valores – Bom; 5 a 6,4 valores – Regular; 1 a 4,9 valores – Insuficiente.

Bibliografia

IQF. (2004). Guia para a Concepção de Cursos e Materiais Pedagógicos. Lisboa: Instituto para a Qualidade da Formação.IQF. (2006). Guia para a Avaliação da Formação. Lisboa: Instituto para a Qualidade da Formação.Moreira, C. M. (2012). Para uma legitimação cultural do ensino da religião. Lisboa: Comissão da Liberdade Religiosa.Nova Enciclopédia Larousse. (1997). Nova Enciclopédia Larousse. Lisboa: Círculo de Leitores.Nunes, D. T. (Maio-Agosto de 2006). Sobre as finalidade de Educação Moral e Religiosa Católica. Pastoral Catequética, pp. 75-80

Formador

Nuno Ricardo Oliveira

Início: 02-03-2024
Fim: 30-05-2024
Acreditação: CCPFC/ACC-122355/23
Modalidade: Oficina
Pessoal: Docente
Regime: Presencial
Duração: 30 h
Local: Seminário de Santa Joana - Aveiro